O Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Belo Horizonte estima que haja cerca de 30.000 animais (entre cães e gatos) abandonados nas ruas da capital.

Imagina a que número chega essa estimativa se pensarmos em todo o Brasil? Como a reprodução dos nossos amigos é muito rápida, o descuido dos responsáveis pelos animais que têm lar é uma das principais causas para a manutenção e aumento desse número de abandonados.

Nessa postagem vamos abordar alguns motivos que levam os tutores a deixar seus animais cruzarem, explicar o que é a castração e suas vantagens para os animais e a sociedade, e também vamos falar sobre alguns mitos mais conhecidos sobre a esterilização de animais. Vem com a gente!

Support me : paypal.me/AnoirChafik
| Photo by Anoir Chafik / Unsplash

Por que os tutores deixam os animais cruzarem?

Para quem quer muito ter um filhotinho do seu cãozinho/gatinho fofo, indicamos pensar em duas coisas antes: em primeiro lugar, com esse número gigantesco de animais abandonados, por que não adotar um?

E em segundo, você tem certeza do destino dos outros filhotes de seu animal? Eles serão bem cuidados? Terão adotantes responsáveis? Ou ficarão nas ruas, sentindo fome, sujeitos a maus tratos e se reproduzindo sem controle?

Para quem pensa em cruzar seu animal de raça para ganhar um dinheirinho extra vendendo os filhotes… por onde eu começo? Bem, pensar na quantidade de animais abandonados e na desnecessidade de se colocar mais animais no mundo, ao invés de adotar, é um passo.

O segundo passo é: você terá dinheiro para fazer um ótimo acompanhamento veterinário antes, durante e após a gestação? Vai fazer os exames necessários para saber se seu animal está nos padrões da raça e se ele tem propensão a alguma doença genética?

Não é porque você acha ele lindo que ele deveria cruzar e passar para frente problemas genéticos ou desvios posturais que irão trazer dor e desconforto para os filhotes. É irresponsabilidade, também. Vai ter dinheiro e tempo para dar a assistência necessária aos filhotes, pelo menos até os 45 dias de vida?

A velha ideia de que o animal “gosta de dar uma voltinha”, que ele “quer namorar” ou que “a cadela/gata quer muito ser mãe” perde toda a força ao pensarmos nas consequências dessa reprodução desenfreada para seu animal, para outros animais e para a sociedade em geral.

Além do risco de contraírem doenças na rua (inclusive sexualmente transmissíveis), transmiti-las a outros animais, serem atropelados, sofrerem maus tratos e se perderem, cães e gatos na rua podem ter 12 ou mais filhotes ao ano.

E os filhos desses animais, por sua vez, terão mais filhos, que terão mais filhos, que terão mais filhos… e a história não acaba nunca!

Todas essas possibilidades acima fazem com que o número de animais abandonados na rua continue crescendo. Todas essas possibilidades acima poderiam ser extintas se as pessoas compreendessem a importância da castração e se responsabilizassem pelos seus animais e pelos descendentes deles.

Leia também: Por que eu deveria adotar e não comprar um pet?

two brown dog standing on green grass
| Photo by Caleb Carl / Unsplash

O que é a castração?

A castração é uma cirurgia que impede, definitivamente, que o animal se reproduza ou entre no cio. Ela deve ser realizada por um veterinário, sob anestesia geral, e deve ser feita tanto nas fêmeas quanto nos machos.

O animal não sofre, por estar sob efeito de anestesia. No pós-operatório deve-se dar antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios (de acordo com a prescrição veterinária e não necessariamente os três medicamentos) para que a recuperação seja tranquila e, também, sem incômodos.

É muito importante insistir na castração CIRÚRGICA, e não utilizar outros métodos contraceptivos, como as vacinas existentes que se aplicam em fêmeas para evitar que entrem no cio.

Já está mais do que comprovado que essas vacinas causam sérios tumores de mama nas cadelas além de não evitarem infecções uterinas (piometra), cistos e outros problemas associados ao sistema reprodutor.


| Photo by Jerry Wang / Unsplash

Vantagens da castração

Para você:

Evita crias indesejadas, comportamentos agressivos devido aos altos níveis de hormônios no animal, brigas com outros animais, fugas, uivos e miados noturnos, diminui o cheiro da urina e as fêmeas não entram no cio. Seus animais serão mais saudáveis, viverão mais, serão vigilantes e mais companheiros.

Para a sociedade:

Diminui o número de animais abandonados nas ruas, diminuindo também acidentes de trânsito causados por atropelamentos desses animais, a transmissão de doenças para animais e pessoas, diminui rompimentos de sacos de lixos, abandono e maus tratos.

Para as fêmeas:

  • Não têm mais cio;
  • Previne câncer de mama (se castradas até o primeiro cio, principalmente, mas também tem uma boa porcentagem de redução em fêmeas castradas até os 2,5 anos), de ovário, de útero, infecções uterinas (a piometra acomete uma grande porcentagem de fêmeas e, se não descoberta precocemente, pode levar à morte) e doenças sexualmente transmissíveis;
  • Evita gestação psicológica;
  • Evita morte no parto e pós-parto;
  • Evita enfraquecimento dos ossos;
  • Evita desenvolvimento de diabetes por resistência à insulina, que pode ser causada pelos hormônios que os ovários liberam;
  • Aumenta o tempo de vida e a qualidade dela.

Para os machos:

  • Diminui demarcação de território (urinar em todos os locais);
  • Diminui o odor da urina;
  • Diminuem as fugas em busca de fêmeas no cio;
  • Diminuem as brigas com outros animais;
  • Diminuem latidos e miados excessivos;
  • Evita o câncer de testículo, próstata e doenças sexualmente transmissíveis.

two dogs in blue and white neck scarves
| Photo by Yuki Dog / Unsplash

Mitos sobre a castração

1. A castração deixa o animal gordo

Após a castração, animais adultos podem ficar mais calmos e se exercitarem menos, o que fará com que eles engordem, mas isso não é regra.

O tutor deve se atentar para a alimentação dele e estimular a prática de exercícios – brincando, levando para passeios, etc. O controle do peso deve ser feito com controle alimentar e exercícios!

Animais castrados mais cedo, antes de 1 ano de idade, não costumam ficar menos ativos.

2. A castração deixa o animal bobo

O animal só ficará "bobo" se chegar à obesidade – dessa forma, ficará mais lento e se cansará mais fácil. Novamente, é apenas uma questão do tutor proporcionar atividades físicas e controlar a alimentação, caso necessário.

Outro ponto é que, por não ter níveis altos de hormônios no organismo, o animal ficará menos agressivo por questões territoriais e brigas por fêmeas, por exemplo. Mas ele continuará defendendo a casa e dando sinal de tudo normalmente.

A “agressividade” necessária para a guarda é determinada por treinamento e instintos territoriais, e não se altera com a castração. A disputa e dominância sexual criam oportunidades para o animal usar sua agressividade, mas não são a causa dela.

3. A castração é cruel

O processo cirúrgico é rápido e indolor para o animal, uma vez que é feito com anestesia. Procure um veterinário competente, que se preocupe com a limpeza durante a cirurgia e que tenha experiência em castrações.

É normal, no dia da castração, o animal ficar lento e mais quietinho, mas isso é consequência da anestesia. Quando o efeito passar, ele voltará às atividades normais.

4. O animal para de demarcar território

Se a castração for feita em um animal já adulto, ele não vai parar de marcar o território completamente, por costume, mas o cheiro da urina fica mais fraco e ele diminui as marcações.

5. Ele vai sentir falta de cruzar

Não. Não vai. Animais não têm a mesma relação com o sexo que os humanos têm, e só cruzam devido aos hormônios e ao instinto de reprodução.

Prova disso é que as fêmeas só aceitam os machos quando estão na época fértil do cio, e os machos só se interessam pelas fêmeas quando elas estão nessa época. Sem hormônios, eles não sentirão falta de nada disso.

6. Minha fêmea quer ser mãe

Cadelas e gatas não ficam “frustradas” por não terem filhos, como algumas mulheres ficam. Para evitar o câncer de mama nas fêmeas, o indicado é castrar o quanto antes – inclusive antes do primeiro cio.

7. A castração muda a personalidade, inteligência e disposição do animal

Não, a personalidade do animal se forma até 1 ou 2 anos de idade (claro, varia um pouco de animal para animal), e a castração não conseguirá alterar isso. Em caso de animais castrados antes dessa idade, as mudanças de personalidade se devem à formação e ao desenvolvimento normal dele.

8. Cruzar deixa o animal emocionalmente estável

Muito pelo contrário! As disputas hormonais deixam o animal agitado, agressivo e nervoso.

E agora, vamos marcar a castração do seu bichinho? Fizemos uma postagem com locais que castram gratuitamente ou a baixo custo para você! Tem mais alguma dúvida? Manda pra gente!