Vem comigo: você tirou o pet de uma situação de risco, levou ao veterinário, cuidou dele com todo o carinho, boa alimentação e medicamentos necessários, se esforçou na divulgação, entrevistou os interessados e, finalmente, encontrou uma família pra ele! Vamos combinar, é um bocado de trabalho e, principalmente, amor envolvido, não é? Então que tal se esforçar mais um pouco para garantir que o seu resgatado vá continuar sendo super amado e bem cuidado na família nova? Esse é o objetivo da pós-adoção, e ela é fundamental para garantir o bem estar do bichinho!

A pós-adoção é um acompanhamento feito para verificar se o animal adotado está tendo os devidos cuidados, se está feliz e se não há indícios de maus tratos. Geralmente esse acompanhamento é feito por alguns meses após a adoção do pet, mas principalmente nas primeiras semanas, que é o momento mais delicado de adaptação ao novo lar (e dos adotantes ao novo companheiro, claro).

A pós-adoção também serve para tirar dúvidas dos tutores que possam surgir depois que o animal vai para o novo lar, de forma a ajudar na adaptação e no equilíbrio da nova família, o que é fundamental para se evitar devoluções ou, em casos ainda piores, abandono e o repasse do animal para terceiros sem que você saiba.

Nos casos em que o bichinho foi adotado antes de ser castrado, é importante que se faça o acompanhamento com os tutores, na época certa, para se certificar de que o procedimento foi feito ou, ao menos, que a castração já esteja marcada (fizemos uma lista de locais com castração gratuita ou a baixo custo). Assim você estará evitando crias indesejadas e ainda mais animais em busca de um tutor. De toda forma, queremos reforçar a importância de se castrar todos os animais antes de colocá-los para adoção, a menos que alguma condição clínica ou a idade muito precoce impeçam o procedimento.

Os contatos mais frequentes podem ser feitos por telefone, e-mail, whatsapp ou outra mídia social, principalmente nos primeiros dias após a adoção. Mas é interessante fazer ao menos uma visita pessoalmente para verificar pontos muito importantes que falaremos mais abaixo. Se a adoção não foi feita em uma feirinha, indicamos que o tutor temporário do pet o leve até a casa do adotante para verificar o ambiente antes de finalizar o processo de entrega do animal.

Quando for fazer a visita presencial, atente-se para a reação do animal aos tutores (e vice-versa). É um ótimo indicativo do tratamento que ele está recebendo, se eles são amorosos e carinhosos com ele ou, pelo contrário, se são agressivos e deixam o animal assustado. Atente-se também para alguns pontos importantes, como os listados abaixo, e faça perguntas para esclarecer o que for preciso:

  • verifique se as informações sobre segurança do ambiente (para que o pet não tenha acesso à rua), passadas na entrevista, procedem;
  • confira se o animal está usando placa de identificação e reforce a importância dela para os tutores;
  • verifique se o animal possui um local de descanso limpo e protegido de chuva, sol e vento;
  • se há água limpa sempre disponível;
  • pergunte sobre o tipo de alimentação dada e verifique se ela é adequada para a espécie / idade / porte do bichinho;
  • pergunte sobre vermifugação e desparasitação (se visualizar pulgas ou carrapatos, indique um remédio adequado para acabar com a infestação);
  • reforce a importância da vacinação anual ou de terminar o esquema vacinal nas datas corretas, em caso de filhotes;
  • atente-se para a aparência do animal em geral (se ele está bem nutrido, com pelagem sem falhas, alegre, ativo etc).

Alguns adotantes podem se sentir incomodados com a pós-adoção. Seja gentil na abordagem, diga que você só está preocupado em garantir o bem estar do pet e, se necessário, lembre-os que o termo de adoção que assinaram falava sobre esse procedimento. O mesmo termo também falava que o tutor temporário poderá reaver o animal caso ele não se encontre em boas condições.

Lembre-se, você não está sendo chato realizando uma boa pós-adoção: está apenas querendo o melhor para seu resgatado! Em termos gerais, você quer saber se os tutores estão praticando a guarda responsável. Já teve alguma experiência do tipo? Conta pra gente nos comentários!