Se você tem um gato em casa provavelmente já ouviu falar em FIV e FeLV. Apesar de serem consideradas duas das doenças crônicas mais perigosas para os gatos, com acompanhamento veterinário e muito carinho os gatinhos positivos podem viver muito bem por anos! Infelizmente elas ainda não possuem cura, mas podem ser evitadas com alguns cuidados básicos.

exames específicos para ambas as doenças, e também já estão disponíveis testes rápidos para elas. Desde já, gostaríamos de ressaltar que nem a FIV nem a FeLV são transmitidas para humanos ou outros animais que não sejam felinos.

This is the cutest and loveliest cat I have ever met in my life. He is BU BU, a cat with 6 fingers, which is unusual, but in fact, smarter than any cat. He meows every time he sees me, and jumps to my bed and sits with me.
Photo by Michael Sum / Unsplash

FIV (imunodeficiência felina)

Transmissão

Conhecida como a AIDS felina, a FIV é transmitida através do contato com um gato já contaminado, pelo sangue ou saliva, sendo a última a forma mais comum de transmissão, principalmente por meio de mordidas. De forma menos comum, filhotes podem se contaminar pela placenta, durante o nascimento, e há também relatos de transmissão pelo coito. Por esses motivos, a castração é fortemente recomendada.

Gatos agressivos, machos, adultos e com acesso à rua são o grupo mais afetado. Gatos que não possuem a doença podem se contaminar ao compartilhar objetos com animais doentes, portanto é preciso ter cuidado com os bebedouros e comedouros.

Evolução da doença e sintomas

Na primeira fase aguda da doença, aproximadamente 3 semanas após o contágio, alguns gatos podem apresentar febre, mas a maioria não dá nenhum sinal. Depois de algumas semanas o sistema imunológico consegue controlar o número dos vírus no organismo e, a partir daí, os gatos portadores da FIV podem ficar assintomáticos por vários anos.

Eles podem permanecer aparentemente saudáveis, mas seu sistema imunológico vai se deteriorando aos poucos, até atingir a fase terminal da doença. Nela, é comum a aparição de infecções oportunistas graves, debilidade crescente e, em alguns casos, tumores.

Tratamento

Não há vacinas para prevenir a FIV e ainda não há tratamento, mas ainda assim os gatos contaminados podem levar uma vida normal se forem bem cuidados, tendo uma expectativa de vida de até 15 anos. Reforçar o sistema imunológico é fundamental! É importante tomar os cuidados para que o gato portador da FIV não a transmita a outros gatinhos saudáveis.

On a very cold, gloomy weekend, after receiving some distressing news… this face.
Photo by Kate Stone Matheson / Unsplash

FeLV (leucemia felina)

Transmissão

Outra doença grave entre os gatos é a FeLV, também conhecida como a leucemia felina. A forma de transmissão é bem parecida com a FIV, através de contato direto com animais já infectados, secreções ou por ingestão de alimentos e água contaminados.

O vírus é eliminado principalmente pela saliva e secreções nasais, mas também está presente no sangue, lágrimas, fezes e no leite. Gatos jovens e que andam ou vivem juntos são o grupo de risco dessa doença.

Evolução da doença e sintomas

Quando um gato contrai a FeLV, há 3 formas de evolução possíveis:

  1. ele pode combater a infecção e se recuperar totalmente da doença;
  2. pode controlar parcialmente o vírus e entrar em um período de latência que pode durar vários anos, em que o vírus fica alojado na medula óssea. O vírus pode voltar à atividade após uma situação de estresse ou pela administração de determinados medicamentos;
  3. o sistema imunológico não consegue controlar a carga viral e células infectadas são continuamente produzidas e liberadas na corrente sanguínea. A esmagadora maioria desses gatos permanece infectado pelo resto da vida, sendo que cerca de 85% chega a morrer nos primeiros 3 anos após o contágio.

Alguns dos sintomas mais comuns da doença são anemia, perda de peso, problemas estomacais, dificuldade ao respirar, alteração de comportamento, febre e problemas na gengiva. Também é comum o desenvolvimento de tumores.

Tratamento

A doença ainda não possui cura, e o tratamento consiste em combater as infecções secundárias e reforçar o sistema imune do gato. Diferentemente da FIV, existe a vacina preventiva (conhecida como Quíntupla Felina) e os gatos vacinados podem conviver normalmente com outros gatos, mesmo que infectados.

bean the cat
Photo by Jae Park / Unsplash

Prevenção da FIV e da FeLV

É importante lembrar que a melhor maneira de evitar a contaminação é evitando que um gato saudável tenha contato com outro contaminado, mantendo seu gatinho dentro de casa e em segurança. No caso da FeLV, há uma vacina disponível, o que possibilita o convívio entre gatos positivos e negativos.

Também é muito importante manter o ambiente limpo, cuidando sempre do bebedouro, do comedouro e da caixa de areia. A castração é muito indicada, tanto para evitar o contágio via coito, quanto para diminuir fugas e brigas.

Já sabe tudo sobre FIV e FeLV? Ficou alguma dúvida ou sugestão? Manda pra gente nos comentários!